quinta-feira, 8 de agosto de 2013

A Cabana (William P. Young)

Dizem que quando não lemos um livro até o final é porque não estamos preparados para a mensagem dele.  E esse é o caso. Comecei a ler “A Cabana” há alguns anos atrás, mas não cheguei nem na metade da leitura. Não apeteceu minhas expectativas, seja lá quais eram na época. Eis que algumas semanas atrás ele me foi recomendado pela fofíssima Jacky, uma amante voraz de livros (assim como eu). Com todo respeito à ela, decidi dar mais uma chance ao Willian Young. E foi perfeito!

Li várias resenhas negativas a respeito deste livro e talvez eu entenda o porquê muita gente não gostou. Para apreciar esta leitura são necessárias duas coisas: acreditar em Deus e ter fé. É sobre isso que se trata a história. Se você não se deixar levar às reflexões religiosas às quais são propostas, não valerá a pena. Eu não vivi nenhuma tragédia como a narrada na história (Graças à Deus), mas me identifiquei com as dúvidas vividas pelo personagem Mack quando questiona os propósitos de Deus. Refleti bastante e acho que encontrei a resposta que procurava. É como se tudo fizesse sentido. É como se o meu caminho tivesse sido sinalizado. Achei transformador.
Outro fator que me fez ler o livro com um novo olhar foi a maternidade. Agora que sou mãe entendo muito melhor sobre o amor. Eu achava que sabia tudo sobre esse sentimento até o meu Theo vir ao mundo. Confesso: Eu não sabia nada! O amor que sinto agora é de pureza ímpar. Esse amor é minha referência para tudo. Ele me ensina a ver as coisas de forma diferente. E assim passei a entender melhor o amor de Deus por mim e de Jesus Cristo pela humanidade.
Enfim... não vou alongar minhas opiniões. Cada leitor fará uma leitura diferente, tenho certeza. Recomendo!
OBS: Agradeço a Deus e ao nosso Senhor Jesus Cristo pela compreensão sobre fé e graça. Por incrível que pareça minha vida tem sido muito abençoada desde então. Obrigada William Young por ser o emissor das palavras que mudaram minha vida e minha visão de mundo. 
Sinopse retirada do Skoob: A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquela cabana para passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta a cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá muda sua vida para sempre. Num mundo em que religião parece tornar-se irrelevante, "A Cabana" invoca a pergunta: "Se Deus é tão poderoso e tão cheio de amor, por que não faz nada para amenizar a dor e o sofrimento do mundo?" As respostas encontradas por Mack surpreenderão você e, provavelmente, o transformarão tanto quanto ele.
 Editora: Sextante
Autor: WILLIAM P. YOUNG
Número de páginas: 240
Recomendação: Ótimo




sábado, 5 de janeiro de 2013

Êxtase (Lauren Kate) - Série Fallen


Antes de qualquer coisa devo dizer: MARAVILHOSO! Simplesmente amei este livro e o desfecho que foi dado à história. A autora realmente terminou sua obra em grande estilo. Mal posso esperar pelo filme. Espero que faça o mesmo sucesso de Crepúsculo.

Em “Êxtase” Luce, Daniel e seus amigos anjos e demônios têm 9 dias para impedir que Lúcifer apague a história desde a Queda dos Anjos. Para isso eles se dividem para procurar as 3 relíquias que ajudarão os anjos a lembrarem-se do local exato onde tudo começou. Uma aventura com direito a Párias, tempomotos e anjos da Balança dispara o cronômetro contra o tempo, mas não é isso que realmente importa. Luce precisa lembrar-se de sua primeira vida... o início de tudo. Essa lembrança tem tanta importância, que ela precisará dela para saber quem realmente é e lutar sua última batalha.
O final da história é tão sensacional que minha ansiedade em ler as últimas páginas me deixava impaciente com tantas descrições e detalhes que a autora escreveu. Mas devo dizer que tudo é pertinente, pois sem a riqueza e minúcias do cenário, não conseguiríamos imaginar cada cena com tanto entusiasmo.
O que mais me chamou a atenção nesta série foi a leveza em que o bem e o mau foram tratados. Tudo é uma questão de equilíbrio e de ponto de vista. Sei que sou suspeita pois livros com enredo sobrenatural são meus preferidos, ainda mais envolvendo uma história de amor.
Enfim... não vou me alongar. Leiam! Recomendo que façam a leitura dos 4 livros da série.
Confira aqui a resenha dos outros livros:
Editora: Galera Record
Autor: LAUREN KATE
Número de páginas: 346
Recomendação: Ótimo
 
 
 

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Cinquenta Tons de Cinza (E. L. James)


Aaaah, não poderia faltar. A tão falada e difundida história de Anastasia e Christian.

Primeiramente devo dizer, para os que ainda não sabem, que a história foi escrita por uma fã ardente da série Crepúsculo. Ou seja, se você leu Crepúsculo, achou uma porcaria, mas terminou de ler mesmo assim por curiosidade, o mesmo acontecerá neste livro.

O livro se trata da história de Anastasia, recém formada na faculdade, que entrevista um cara poderoso, Christian, e desde então começam a se interessar um pelo outro. O único porém é que Anastasia, tão pura e ingênua, quer um romance, enquanto Christian, autoritário e extremamente poderoso, quer um relacionamento de dominação e subordinação – dominação da parte dele, obviamente, sem vínculos amorosos. Porém, ambos se envolvem de tal forma que se perdem até no que acham que querem realmente.

Mas não espere um livro bem escrito. Mesmo. Descobri que não foi mal traduzido, ele foi mal escrito mesmo – obviamente porque ela tentou seguir o “estilo literário” de Stephanie Meyer. Eu tive a pachorra de contar quantas vezes a autora utilizou do termo “franziu a testa” ou o seu sinônimo “franziu o cenho”. Foram 51 vezes até a página 320. Parecia que ela tinha acabado de conhecer a expressão... (imagino os fãs da série já brigando “Se acha ruim, escreve melhor!”. Haters gonna hate.)

Da mesma forma, este livro ficou parecidíssimo com o Crepúsculo, em minha opinião. Há o homem maravilhoso, perfeito, inatingível, rico e poderoso, só que não brilha no sol. Há a moça ingênua, doce, virgem, fofa e estabanada. Há o moço bom que gosta da moça e que formariam um casal maravilhoso, se não fosse o olhar da moça ser totalmente fraternal por ele. Alguma semelhança? O que mais me deixou pasma foi uma frase dita por Christian (o dominador), algo como “Afaste-se de mim, você não sabe com quem está lidando, não sou homem para você, posso te machucar”. Minha nossa, Edward diz isso mil vezes também.

Enfim. Tirando os motivos que tive vontade de tacar o livro pela janela, a história por si só não é a mais criativa, mas o elemento “sexo” faz com que você se distraia destes pequenos probleminhas e se delicie com cada parágrafo. Não é de se estranhar que as mulheres são as principais adoradoras desta série. O sexo simplesmente é visto do ponto de vista feminino, descrevendo todas as sensações, desde a mão na nuca, até aquilo naquilo. É o tipo de livro que te prende tanto que se você estiver lendo no ônibus, vai perder o ponto.

Já iniciei o segundo livro da série (50 Tons Mais Escuros) e em breve coloco a resenha para vocês aqui!

Dica: seja menos chato do que eu sou. Aproveite a leitura, não repare nas mil expressões repetitivas (“cerrou os dentes” ou “travou as mandíbulas” também estão presentes em profusão), e tenha uma leitura muito feliz. MUITO, se é que me entendem. ;)
 
Editora: Intrínseca
Autor: E. L. James
Número de páginas: 455
Recomendação:
 
 

terça-feira, 21 de agosto de 2012

O Outro Lado da Meia-Noite (Sidney Sheldon)

Para minha estreia no blog da Flá decidi iniciar com um livro que não só marcou minha vida como também mexeu comigo.

Muito provavelmente terei algumas resenhas de livros do Sidney Sheldon, autor pelo qual tenho imenso carinho e admiração.

Esta foi uma das primeiras literaturas adultas que li, e quando o finalizei, mal conseguia conter meu êxtase, minha surpresa e minha admiração. A história é simplesmente perfeita em encaixes, não deixando nenhum fio solto ou mal explicado. Até hoje o li em torno de 12 vezes (não sou louca, cada vez que leio, aprendo algo novo, embora o final nunca mude rs).

O Outro Lado da Meia-Noite é um romance policial, como muitos do autor, que conta a história de duas mulheres totalmente diferentes, nascidas e criadas em ambientes diferentes, cujas histórias um dia irão se esbarrar.

Uma das mulheres é Catherine, uma moça doce e inteligente, com uma língua afiada que usa em raras ocasiões. Seu pai gostava de se denominar como empreendedor, embora tenha tido muitos fracassos na vida. Quando moça trabalhou para um dos grandes nomes da política americana.

A outra é Noelle, moça lindíssima e determinada que acredita ser uma princesa que um dia terá tudo o que deseja. Seu pai, um pescador, a tratava como uma verdadeira princesa, até ela se tornar uma jovem bonita e atraente. Transformou-se em uma atriz famosa e conceituada.

Como não poderia faltar, existe um a homem, Larry Douglas - um aviador -  que é o centro da história, lindo, sedutor, de uma simplicidade quase infantil, muito determinado e teimoso, que cruza o caminho de Noelle e, mais tarde, de Catherine.

A história se passa por um bom período da Segunda Guerra Mundial, e este fato serve não apenas como pano de fundo, mas como a “cola” para alguns dos acontecimentos.

Como foi abandonada por Larry quando era apenas uma moça ingênua que acreditava no amor e no casamento, Noelle decide se vingar sem pressa.

A trama se trata de um dos maiores julgamentos da história, que deixou a todos abismados e fez com que a mídia fervesse de excitação.

É uma história deliciosa e o livro é viciante. A cada capítulo o autor conta um pouco da história de cada uma, sempre o encerrando com um evento importante que ficamos doidos de vontade de saber. Mas aí começa outro capítulo com a outra mulher. E o ciclo se repete. Sheldon é de um conhecimento muito vasto em psicologia e comportamento humano, fazendo com que os livros se tornem ainda mais interessantes.

Editora: Record
Autor: SIDNEY SHELDON
Número de páginas: 496
Recomendação: Ótimo




quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A Cidade do Sol (Khaled Hosseini)

Ganhei este livro de uma pessoa que confiou suas histórias à mim, uma completa desconhecida. Foram cerca de quatro caronas depois do trabalho e muito bate-papo durante as duas horas de trânsito em São Paulo. Cada conversa me fazia refletir sobre muitas coisas, entre elas a de que cruzamos com pessoas durante nossas vidas por algum propósito alheio ao nosso conhecimento. Acho que Deus fala conosco das formas mais inesperadas. E foi com essa frase, escrita num post-it rosa dentro da folha de rosto do livro que a Cristina Akemi se despediu de mim:  “Flávia, tenho certeza absoluta que ninguém passa pelas nossas vidas por acaso.”  E assim, mais um best-seller veio parar em minhas mãos... Recomendo este livro para dar aquela “sacudida” e entender de fato o que é resiliência.

A CIDADE DO SOL é um romance que nos conta um pouco sobre a vida no Afeganistão nos anos em que os talibãs, as injustiças sociais e a violência contra a mulher tiveram destaque no mundo. A escrita de Hosseini nos faz viajar de uma forma apreensiva por toda a trama. Por muitas vezes tive esperanças de mudança em meio ao sofrimento das personagens, mas a história parecia seguir a linha do “não há nada tão ruim que não possa piorar”.

Confesso que incomodou-me a leitura dos nomes próprios de alguns personagens e termos da cultura islâmica... mas acredito que seja por minha total ignorância aos costumes ou minha inexperiência  com livros deste tipo. Desisti de “O Diário de Anne Frank” com nomes e termos judeus por esse motivo.

O livro conta a história de duas mulheres que tem suas vidas cruzadas durante os infortúnios da guerra. A primeira é Mariam, a filha bastarda do granfino Jalil com Nana, a empregada de sua mansão na cidade de Herat. Aos 15 anos após o suicídio de sua mãe a menina é obrigada a se casar e morar em Cabul com o sapateiro Rachid. Inicia-se então uma vida infeliz, cheia de maus-tratos e humilhações. A segunda é Laila, vizinha de Mariam, nascida pouco tempo após sua chegada na cidade. Uma garota privilegiada que teve oportunidade de estudar durante a infância e viveu momentos de respeito e admiração incentivados por seu pai.
As duas passam a conviver logo após uma tragédia acontecer com a família de Laila marcada com a invasão dos talibãs em Cabul.  Laila toma uma decisão que mudará o destino das duas e que, com o tempo, a salvação de uma será a destruição da outra.

Envolvente, dramático e perturbador. Uma realidade tão absurda que é difícil acreditar que seja possível ter esperanças. As personagens, embora tenham trajetórias e personalidade completamente diferentes mostram como as mulheres que vivem numa sociedade marcada por machismo e fanatismo religioso são resilientes. Elas resistem à pressão de situações adversas sem surtos psicológicos. Sobrevivem com muito pouco de uma forma que eu jamais conseguiria suportar.
Editora: Nova Fronteira
Autor: KHALED HOSSEINI
Número de páginas: 365
Recomendação: Muito Bom








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...